quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Hipócrita?!



Eu fui, sei lá, comparado a maioria!
Fui colocado juntos aqueles hipócritas que "ter" basta!
Aqueles em que à aparência idiota de uma marca, ou um perfume caro,
dá sentido a toda uma vida vazia.
Se ao menos tivessem eles chifres de marfim,
mas são meros pedaços de carnes humanas ambulantes,
apodrecendo como uma hiena que buscou alimento no deserto sem vida.
Pois vejam, quem são eles!?
Mas eu não sou um deles, tentei ser,
mas falhei, como tudo que fiz na vida!
Eu, se fosse igual eles, me importaria com a aparência,
com os status condicionados ao que se possui.
Quem disse que eu não queria ser um maldito frasco de um veneno barato,
cuja caveira no rótulo assusta devido a memória associativa do símbolo,
 Mas se bebido, o efeito não passa de uma pequena dose de Aspirina.
Eu, sou bem mais intenso que isso.
Eu só preciso SER!
Tu que me conheces deves bem perceber!
E fui colocado junto a escória do mundo,
Talvez eu tenha me magoado,
afinal tenho um coração que bate humanamente por outros humanos,
que eu julguei que eram também diferentes da maioria.
Teus olhos, pareciam tão humanos e únicos.
Foda-se essas minhas doces lembranças!
Eu bem sei que fui misturado em um redemoinho de hipócritas.
Justo eu;
Eu que vou conseguir tudo que desejo a duras penas.
Sabe por quê?
Porque não sou estes que escolhem a via mais fácil;
Irei conquistar tudo como um chimpanzé que tenta encaixar
um estrutura quadrada no molde circular e consegue,
unicamente porque umas das estruturas sucumbe a insistência.
Eu percebi que não signifiquei nada.
Que tudo que sonho,
todas as minhas convicções,
são faíscas ante a chama hipócrita do mundo.
Quem dera eu encontrar meu mundo de gente.
Mas eu, em vez de proporcionar um mundo concreto,
tenho apenas as sensações mais intensas, mais humanas a oferecer.
Acho que fui solicito demais,
que me entreguei demais.
Mas quem disse que aceito meio termos?!
É tudo ou nada, agora, resta-nos nada.
Agora, esta poesia tem mais infinitas linhas vazias,
como o vazio que há em mim.

..................................................................................................................................................................
 ENGLISH VERSION

Hypocrites?!

I was compared to most!
I was put together those hypocrites who 'have' is enough!
Those in which the stupid look of a brand, or an expensive perfume,
It gives meaning to all an empty life.
If only they had ivory horns,
but are mere pieces of human meat,
rotting like a hyena who sought food in lifeless desert.
For you see: who are they !?
But I'm not one of them, i tried to be,
but i failed, as everything I've ever done!
If I were like them, i minded with the appearance,
with the status conditional on you own.
Who said I did not want to be a fucking bottle of a cheap poison,
whose skull on the label frightens due to symbol associative memory,
 But if drunk, the effect is only of the a small dose of aspirin.
I am much more intense than that.
I just need to BE!
You who know me, well you should see!
And I was put, together the scum of the earth,
I may have hurt me,
Cause I have a heart that beats humanly by other humans,
I judged they that were also different from most.
- Your eyes looked so human and unique.
Fuck these my sweet memories!
I know that was mixed in a swirl of hypocrites.
Just me;
I'm going to get everything I want with great difficulty.
Do you know why?
I am not those who choose the easy way;
I will conquer all as a chimpanzee trying to fit
a square-structure in the circular mold and can,
only because each succumbs structures insistence.
I realized I did not mean anything to you.
Everything that i dream,
all my beliefs,
They are sparks in the front the flame hypocrite in the world.
I wish I find my world of people.
But I, rather than offer a real world,
I have only the most intense sensations, more humane to offer.
I think that I was too fool,
That I gave myself too
But who said that I accept half terms ?!
It's all or nothing, now, we are left with nothing.
Now, this poetry has more endless empty rows,
as the void in me.

Nenhum comentário:

Postar um comentário