quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Desconstruir


Tudo nessa vida é uma ilusão
uma construção daquilo que não é 
As flores, melhor ficariam em suas plantas mães 
Lá, elas seguiriam seu real propósito:
Frutificariam e, seus doces frutos saciaram a fome
de ferozes esquilos.
- Presentes à corações apaixonados 
Não sejam ridículos!  

As estrelas, corpos celestes,
tão distantes nascem e morrem
e se cá viessem
nos destruiriam com sua ponta única.
Ora, cinco pontas e fontes de desejos
Não me façam rir! 

A lua, filha da terra, a terra retornará...

O coração, apenas músculo
bombeia sangue, amor, dor... 
Bem mais dor do que amor
Ou, talvez de tanto amar, coitado, 
desaprendeu a sonhar e só sabe doer
- Tudo é uma ilusão?

Os sonhos: as desilusões e o pouco realizar 
hão de torná-los um fardo ao coração senil 
Os ombros: adornados de pele macia e negra, 
enrugarão.
As mãos: há de o tempo se encarregar de manchá-las
Os olhos puxados, de tanto ver, se cansarão
Os cabelos, de tanto eu amar, lá estão
Os lábios meus, tão meus, salivados, 
jamais ressecarão. 
Os sorrisos, cá ficarão nas lembranças
 - Como não amar?!

O ventre, encaixe perfeito com meus desejos, o tempo o esticará.

As espadas, os escudos, as batalhas 
estas enfeitarão a parede de um velho que
cansado de tudo isso se questionará: 
Deus, que fiz eu da minha vida?
A saudade? Ah saudade, levante o olhar.
O tempo?!
Este ficará sendo usado por outros 
e outros... 






  


Nenhum comentário:

Postar um comentário