sexta-feira, 9 de junho de 2017

Abismo


Sabe no que eu estou pensando? Eu lhe digo, afinal nunca fui de guardar sentimentos: eu estou pensando na minha existência fatalista. Estou refletindo sobre o fato de que eu sou tão intenso que seria capaz de trocar anos por segundos, se estes me proporcionarem qualquer coisa além do comum. Parece que viver pra mim é escorregar em um abismo cujo no final me esperam lanças afiadas e ávidas por meu sangue. E eu sinto, com toda sinceridade, que nesta jornada, existem inúmeros pontos que eu posso me agarrar, diversas escolhas que eu posso tomar pra deixar de cair tão rápido, mas é como se fosse o meu destino esse escorregar intenso.
Talvez eu opte por continuar caindo porque sei que é melhor poucos segundos sentindo o vento da descida e vivenciando a emoção da queda, do que uma vida morna e estagnada em um ponto neutro. Não, eu prefiro ir, sabe, talvez assim eu chegue mais longe do que imaginei.
Se eu opto por me agarrar, por evitar a queda, viverei muito, é certo, mas serei só mais um agarrado as coisas vazias da vida, que eu sei que valem muito mais do que toda metafísica, mas a questão é que eu sou assim. Portanto, deixem-me cair, talvez uma hora ou outra o abismo vire e, por uma questão simples de percepção, eu passe então a ser erguido aos mais altos patamares onde me esperam flores e tapetes vermelhos.
Então você que antes assistia contente a minha queda, vislumbrará lá de baixo os meus pés ornados em ouro e pedras cintilantes, ainda que estes estejam cheios de cicatrizes deixadas pelas lanças que eu mesmo coloquei no final do meu abismo.

Um comentário:

  1. Que poesia extraordinária!
    Você tem talento!

    ResponderExcluir